Economia do Porto vai “pulsar” com investimentos de 600 milhões até 2030

Câmara do Porto prepara-se para apresentar a nova estratégia de desenvolvimento económico da cidade

Dez projetos “estruturantes”, envolvendo um investimento direto de aproximadamente 600 milhões de euros até ao final da década – cerca de metade assegurado pelo município e “considerando igualmente as possibilidades de financiamento do novo período de programação estrutural” – vão concretizar a nova Estratégia de Desenvolvimento Económico da cidade do Porto.

Denominada “Pulsar”, esta estratégia vai ser apresentada na sexta-feira, 13 de maio, no Auditório do Super Bock Arena – Pavilhão Rosa Mota, pelo vereador da Economia, Emprego e Empreendedorismo, Ricardo Valente. Esta sessão, que será encerrada por Rui Moreira, terá como oradora principal a comissária europeia para a Coesão e Reformas, Elisa Ferreira.


“O processo de desenvolvimento do ‘Pulsar’ é o resultado da reflexão coletiva das entidades que têm impacto direto e indireto no desenvolvimento económico da cidade, tendo contado com a participação de diversos atores estratégicos da sociedade civil e local, de instituições públicas e privadas e do ecossistema empresarial”, num total de 127 entidades consultadas, sublinha a autarquia.

Quando em março apresentou uma primeira versão do plano ao Executivo municipal, Hermano Rodrigues, consultor da EY, adiantou que “tendo em conta as vantagens comparativas e competitivas” do Porto e do Noroeste do país, foram definidos oito domínios de especialização inteligente: comércio, serviços e imobiliário; turismo e desporto; TIC e centro de serviços; saúde e ciências da vida; cultura e indústrias criativas; mobilidade, energia e ambiente; economia azul; e construção sustentável.

O documento destacou a “forte presença no tecido empresarial” do setor do comércio e serviços, que em 2019 representava 92% dos estabelecimentos, 88% do emprego e 79% do volume de negócios”, e o facto de o Porto concentrar “cerca de um terço dos centros de competências instalados no país”. A cidade é descrita como “polo atrativo” para multinacionais na área das tecnologias de informação e comunicação (TIC) e é sublinhado também o crescimento do setor imobiliário (71,6% entre 2011 e 2020), puxado pelo mercado de reabilitação.

11/05/2022

Fonte: Eco

Usamos cookies para melhorar a navegação dos nossos visitantes. Ao fechar esta mensagem aceita a nossa política de privacidade

fechar